Pular para o conteúdo
Voltar

Servidores da Defensoria Pública plantam no entorno do prédio e Administração planeja ações de sustentabilidade

Os servidores serão estimulados a adotarem práticas rotineiras de preservação de copos plásticos, papel e outros recursos públicos que impactam o meio ambiente e têm custos
Márcia Oliveira | Assessoria de Imprensa/DPMT

- Foto por: Bruno Cidade
A | A

A Administração Superior da Defensoria Pública de Mato Grosso implanta, a partir desta sexta-feira (7/6), o “Estudo Técnico Preliminar de Ações Sustentáveis”, uma agenda que dará início a três práticas que buscam economizar recursos ambientais e financeiros; sensibilizar a mão de obra do órgão sobre o tema meio ambiente e coletar e encaminhar materiais recicláveis para trabalhadores que atuam na área, em cooperativas.

A iniciativa foi lançada com o plantio de 40 mudas de árvores frutíferas e ornamentais - doadas pela secretaria municipal de Serviços Urbanos de Cuiabá - no entorno da sede administrativa do órgão, e com a doação de mudas para os 73 servidores que trabalham no prédio. Na semana em que se comemora o Dia do Meio Ambiente.

O primeiro subdefensor público-geral, Rogério Borges Freitas, afirma que a intenção é trazer o tema da sustentabilidade ambiental para a rotina do público interno. A ideia é começar com as ações na sede e posteriormente estender a iniciativa para outras unidades do órgão.

“O que queremos é, além de preservar os nossos recursos materiais, fazendo uso otimizado do patrimônio público, reduzir os impactos desse consumo, no meio ambiente. Paralelo a isso queremos desenvolver iniciativas que auxiliem associações de trabalhadores que atuam com reciclados, um dos públicos atendidos pela Defensoria, com a doação do material que temos”, explicou o defensor.

Freitas explica que nos próximos dias o servidor será estimulado a ter um copo ou garrafinha para o consumo de água, para evitar uso de copos descartáveis. Dados sobre o tema indicam que uma pessoa usa, em média, quatro copos por dia. E ao trazer a informação para a realidade da sede, isso representa que os trabalhadores usam 8.760 copos por mês, ao custo de R$ 3,5 mil.

“A intenção é evitarmos o desperdício e estimular que as pessoas tenham um copo permanente para o consumo de água, em vez de gastar esses quatro copos de plástico por dia. A economia de um centavo de recurso público é importante, imagine se conseguirmos R$ 3,5 mil por mês, deixando de destinar esse material para o lixo”, avalia a servidora que coordenará a iniciativa, Larissa Arruda.

Ela lembra que um copo plástico leva 200 anos para se deteriorar na natureza e que além das iniciativas acima, a Administração pretende promover palestras, capacitações e mesmo alterações prediais para conseguir ajustar o prédio da sede às diretrizes de sustentabilidade. “No longo prazo pretendemos implantar placas solares e buscar formas de usar a água da chuva para o abastecimento do prédio. Vamos adquirir cestos de lixo para separar os materiais e nos organizar internamente para que o papel seja preservado de água e cortes, para que possamos doá-los para os catadores de recicláveis. Além disso, vamos implantar uma horta nos fundos da sede”, reforçou Freitas.

A segunda subdefensora pública-geral, Gisele Berna e a secretária executiva, Maria Luziane Ribeiro, participaram da cerimônia que apresentou o projeto aos servidores e do plantio das mudas. “É importante que adotemos práticas que preservem o meio ambiente e que esses hábitos seja extensivos à nossa vida privada também. As boas práticas interferem na qualidade do clima, no nosso ambiente e podemos auxiliar nossos filhos em como lidar com o tema”, disse Luziane.

Para a servidora pública Therezalúcia Pinheiro a iniciativa é importante e oferece a possibilidade de auxiliar quem precisa, ou seja, aqueles que trabalham com material reciclável. “Gostei da iniciativa. Agora é nos organizamos internamente para fazer a coleta de papel de forma correta, colocar a ideia em prática. Futuramente podemos pensar e implantar outras ideias”, avaliou.

Um termo de cooperação técnica foi assinado, também nesta sexta-feira, com a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Mato Grosso Sustentável (Asmats) que receberão a coleta de papel, papelão, plástico e outros recicláveis. “A produção individual de material reciclável que temos em casa é imensa, separando, é que a gente consegue perceber. Como não temos coleta seletiva na cidade, caso os servidores consigam trazer para cá, poderemos encaminhar para a cooperativa. Vamos buscar juntos, com o apoio de vocês, reduzir os impactos ao meio ambiente”, disse Gisele Berna.

Veja mais fotos no nosso Flickr: https://www.flickr.com/photos/defensoriapublicamt/albums/72157708979400651.