Pular para o conteúdo
Voltar

Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra

DPMT

- Foto por: Arte: Bruno Cidade/DPMT
A | A

Por meio da Lei nº 12.987/2014, foi instituído no Brasil o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

É sabido que o país foi construído primordialmente, conforme a história, com o sacrifício das mulheres negras. Elas foram amas, babás, escravas, amantes e prostitutas a servirem gerações de brasileiros, bem como em outros países.

Estereótipos negativos são atribuídos às mulheres negras, que sofrem violência simbólica diuturnamente. Além das violências por elas sofridas, na iniciativa privada ganham aproximadamente 40% a menos que os homens brancos.

Tereza de Benguela, como contado historicamente, após a morte do seu marido, liderou o Quilombo do Piolho – ou Quariterê – nos arredores de Vila Bela de Santíssima Trindade (521 km de Cuiabá), a primeira capital de Mato Grosso, lutando contra os portugueses.

Ela era conhecida como Rainha do Quilombo de Quariterê, tendo comandado um quilombo multiétnico, onde se abrigaram negros, índios e mestiços. Conseguiu manter e conduzir uma sociedade de aproximadamente 200 pessoas livres. Sob seu comando, a comunidade cresceu militar e economicamente, incomodando o governo escravista. Orgulho para a sociedade mato-grossense, após ataques das autoridades ao local, Rainha Tereza foi presa e veio a cometer suicídio após se recusar a viver sob regime de escravidão.

Como as mulheres negras são prejudicadas com a violência e a pobreza? Como está o mercado de trabalho para as negras? Existe racismo estrutural?    

A Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, Instituição que promove os Direitos Humanos, conforme artigo 134 da Constituição Federal de 1988, relembra a data como mais um marco na conquista de direitos, máxime, dos Direitos Humanos das Mulheres. 

Que o dia 25 de julho, Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, dê visibilidade às situações de desigualdade racial e de gênero e fortaleça as lutas das mulheres negras – contra o racismo, o sexismo, a discriminação de classe e o preconceito. A data é, portanto, um marco para celebrar a força de Tereza e de todas as mulheres negras que construíram e constroem a história do nosso país!

                                                          

Cuiabá (MT), 25 de julho de 2019.

 

CLODOALDO APARECIDO GONÇALVES DE QUEIROZ

Defensor Público-Geral do Estado de Mato Grosso