Pular para o conteúdo
Voltar

Ouvidoria da DPMT amplia em 592% o número de atendimentos à população

O dado compara os registros do primeiro semestre do ano passado com os dos primeiros seis meses deste ano
Márcia Oliveira | Assessoria de Imprensa/DPMT

Ouvidor-geral da Defensoria Pública de Mato Groso - Foto por: Bruno Cidade
Ouvidor-geral da Defensoria Pública de Mato Groso
A | A

A Ouvidoria-Externa da Defensoria Pública de Mato Grosso ampliou em 592% o número de atendimento à população, no primeiro semestre de 2019, em relação ao mesmo período de 2018. O dado consta do relatório de atividades da entidade, apresentado aos defensores públicos do Conselho Superior da DPMT, em reunião ordinária.

O ouvidor-geral da DPMT, Cristiano Preza, informa que em números absolutos isso significa que os atendimentos saltaram de 229 no primeiro semestre de 2018 para 1.586 no de 2019. Ele explica que essa ampliação tem relação com várias iniciativas, mas principalmente com a criação do “Defenzap” e o “Ouvidoria Itinerante”. O primeiro implantado a partir de março e o segundo, em operação desde o início do ano.

“Várias foram as iniciativas que possibilitaram esse salto nos números. Além de ouvir a população em 11 cidades do interior, onde a Defensoria Púbica está instalada, via  Ouvidoria Itinerante, implantamos também o serviço de tirar dúvidas e fazer atendimentos pelo aplicativo ‘Whatsapp’. Mas, paralelo a isso, também capacitamos nossa equipe para atender o máximo de demandas, de forma mais eficaz possível”, informa.

O ouvidor explica que esses atendimentos, em maioria, pedem informações sobre processos; quais são os tipos de documentos que o cidadão precisa apresentar para mover uma ação; quais os locais de atendimento e outros, dessa natureza. E reforça que capacitou os servidores para, ao invés de encarar a reclamação de um cidadão como um problema, ver nessa demanda uma oportunidade de apresentar a Defensoria ao povo.  

“Hoje a nossa equipe repassa informações sobre andamento de processos, além de várias outras, o que possibilitou a redução no número de procedimentos administrativos abertos contra defensores de 45% para 10%. Antes o cidadão reclamava que seu processo não andava e culpava o defensor. Hoje, se constatamos que o problema é na Justiça, e não na Defensoria, o caso já é resolvido ali mesmo, de forma administrativa”, explica Preza.

O ouvidor afirma que desde o início do ano também criou perfis nos aplicativos Instagram e Facebook para ampliar o repasse de informações e o contato com a população, além de ter ampliado a participação da entidade em mutirões, reuniões e no contato com outros órgãos e instituições.

“Nós estamos satisfeitos com o trabalho, mas temos muito mais para o segundo semestre. Para ampliar ainda mais a comunicação propusemos a criação de um formulário eletrônico de reclamação, que a pessoa possa acessar direto no site da Defensoria; propusemos que caixas de coletas de informações sejam posicionadas nos núcleos; que assentos prioritários sejam identificados nos locais de atendimento, entre várias outras propostas. A nossa intenção é aproximar, cada vez mais, a população da Defensoria”, explica.

Dos 1586 atendimentos registrados, 1265 (78%) são de Cuiabá e Várzea Grande e 321 (20%) do interior. E desses, 1425 foram solicitação de informações relacionadas a processos, atendimentos e outros; 113 foram de pessoas pedindo a presença de um defensor; 23 reclamações de atendimentos; 21 pedidos de assistência jurídica e quatro casos de negativa de fazer a defesa do acusado e da vítima.

“Os dados indicam que 90% das pessoas que nos procuraram tiveram a resolução do seu problema de forma administrativa. E isso é aumento de eficácia e no interior, ampliamos o número de atendimentos de 7% para 20%”.