Pular para o conteúdo
Voltar

Segunda Instância Cível adota medidas para otimizar gastos e preservar meio ambiente

O “Defensoria 2ª Instância Sustentável” pretende estimular hábitos que reduzam o consumo desnecessário de recursos públicos e paralelo a isso, estimular práticas solidárias e que auxiliem ao meio ambiente
Márcia Oliveira | Assessoria de Imprensa/DPMT

Lançamento do Defensoria 2ª Instância Sustentável - Foto por: Bruno Cidade
Lançamento do Defensoria 2ª Instância Sustentável
A | A

O projeto “Defensoria 2ª Instância Sustentável” que pretende reduzir o uso desnecessário de papel e tinta; eliminar o uso de copos plásticos e apoiar iniciativas solidárias e sustentáveis de outras entidades foi lançado pela coordenadora do Núcleo Cível de 2ª Instância, Regiane Ribeiro, para servidores e defensores públicos que atuam no prédio.

A inciativa estabelece algumas medidas práticas, tais como o uso de copos permanentes ao invés dos descartáveis; a adoção do estilo de fonte “EcoFont” como padrão para impressão de documentos, a opção possibilita economia de até 50% no uso de tinta; a impressão dos dois lados da folha (prática já adotada); a impressão apenas da primeira folha de uma petição, sendo o processo físico ou eletrônico, entre outras ações.

“A nossa ideia é reduzir custos e preservar o meio ambiente com medidas que podemos adotar como padrão de conduta no ambiente de trabalho. Já tomamos várias atitudes para impedir o desperdício, porém, podemos ampliá-las”, explica a coordenadora.

Regiane lembra que era prática comum, ao receber processos e encaminhá-los para os defensores responsáveis, redigir um ofício com as informações, imprimir e ao deixar o documento, pegar a assinatura do recebedor. Com o projeto, a ideia é enviar o ofício apenas por e-mail, com pedido de “confirmação de recebimento”.

“Isso elimina papel. Trabalhamos em oito defensores públicos aqui que recebem processos diariamente. Após a implantação da medida, esses ofícios em papel não existirão mais”.

Ela elenca outras práticas, tais como a de apagar as luzes de ambientes onde não tem pessoas, atentar sempre que for o último a deixar o local de trabalho, se existem equipamentos ligados e se sim, desligá-los e manter os copos descartáveis apenas para a população.

Paralelo aos hábitos sustentáveis, os cidadãos, os servidores e os membros da 2ª Instância Cível, que quiserem doar recipientes de vidro para o projeto “Via Láctea”, também poderão fazê-lo, na recepção do prédio. Lá, foram colocadas duas caixas para receber os recipientes. Eles são usados para armazenar leite materno doado à recém-nascidos do Hospital e Maternidade Santa Helena, cujas mães têm algum problema para amamentar.

Além dessa iniciativa, a equipe também apoiará o “Projeto Lunaar”, criado com o objetivo de amparar animais em situação crítica de Cuiabá e Várzea Grande, por meio da doação de frascos de desodorante aerossol. Na recepção, outra caixa armazenará esses recipientes.

“Também vamos recolher óleo de cozinha, pilhas e garrafas pets de dois litros para auxiliarmos o motorista que trabalha conosco, o senhor Zezinho, que produz material de limpeza, de forma artesanal, em casa. Os que puderem colaborar com essas iniciativas, estamos aptos a receber”, afirma Regiane.

Comemoração – No fim da tarde de ontem o Núcleo de 2ª Instância ainda comemorou os aniversariantes do mês de agosto com um lanche da tarde organizado a partir de cota entre servidores e defensores. Um Chá de Bebê para festejar a chegada de Ágatha, filha da servidora Luana Reiners, que está no oitavo mês de gravidez, também foi feito.

“Foi uma surpresa agradável, não imaginava que vocês fariam isso. Estou muito feliz e quero dizer que a Defensoria Pública é um lugar onde me sinto muito valorizada. Agradeço a todos que me possibilitaram esse momento”, disse.