Pular para o conteúdo
Voltar

Defensoria apresenta projetos de inclusão social em evento selecionado pela ONU

O I Ciclo de Palestras Defensorias Públicas e Cidades Inclusivas, que fez parte do Circuito Urbano 2019 ONU-Habitat, ocorreu na última sexta-feira (18), na sede da Defensoria
Alexandre Guimarães | Assessoria de Imprensa/DPMT

Paula Zacarias, analista de programas da ONU, destacou a relevância social dos projetos realizados pela Defensoria. - Foto por: Bruno Cidade/DPMT
Paula Zacarias, analista de programas da ONU, destacou a relevância social dos projetos realizados pela Defensoria.
A | A

Na última sexta-feira (18), às 13h, ocorreu o I Ciclo de Palestras Defensorias Públicas e Cidades Inclusivas na sede da Defensoria Pública de Mato Grosso, no Centro Político de Cuiabá. O evento, selecionado pela Organização das Nações Unidas para fazer parte do Circuito Urbano 2019 ONU-Habitat, contou com a participação de defensores públicos, servidores, professores e a população em geral.

A “Agenda 2030 e Defensorias Públicas: parcerias e inovações para o desenvolvimento sustentável” foi organizada pela Associação Mato-grossense dos Defensores Públicos (Amdep) em parceria com a DPMT e a Escola Superior da Defensoria (ESDEP-MT), com o apoio institucional da ONU-Habitat. O evento foi transmitido, ao vivo, pelo YouTube. Clique aqui para assistir.

O ciclo de palestras reuniu ações exitosas implementadas extrajudicialmente pelos defensores públicos. “A gente juntou todas as pessoas que desenvolveram essas práticas. Vamos elaborar agora uma cartilha. Vai ser o ponto de partida para uma sistematização mais adequada para auxiliar os novos defensores e mesmo os que já estão nas comarcas a realizar projetos semelhantes”, afirmou a defensora Tânia Vizeu, diretora cultural da Amdep e organizadora do evento.

Na ocasião, os quatro novos defensores públicos – Marília Martins, Tainah de Oliveira, Amanda Dias e Murilo Brito –, que tomaram posse no mesmo dia, pela manhã, tiveram o primeiro contato com as práticas da Defensoria Pública de Mato Grosso.

“A Defensoria ajuda a tornar a cidade mais sustentável não só diretamente no meio ambiente, como, por exemplo, com a questão dos catadores de lixo. A cidade começa a se tornar mais sustentável a partir do momento em que há mais igualdade. Nós trabalhamos o tempo inteiro com isso. Defendemos vítimas de violência doméstica, lidamos o tempo todo com vítimas de violência de gênero. E não há desenvolvimento sustentável possível se persistirem a desigualdade e a violência”, defendeu Tânia.

Iniciativas de sucesso - No ciclo de palestras, foram apresentados os seguintes projetos: “Reciclando Dignidade”, pelas defensoras Carolina Weitkiewik e Cleide Ribeiro Nascimento; “Rede de Frente”, pela defensora Lindalva de Fátima Ramos (ambos pré-selecionados para concorrer ao Prêmio Innovare 2019); “Participação da Defensoria Pública nas Redes Intersetoriais”, pela defensora Tânia Matos; “Aplicativos em aparelhos móveis no combate à violência doméstica”, pela defensora Rosana Leite; “Mutirão para a Alteração de Registro de Pessoas LGBT”, pela defensora Tânia Vizeu; “Defensoria Pública no Berçário”, pela defensora Elianeth de Oliveira; “Livro que Livra”, pela defensora Giovanna Santos; e “Defensoria Pública e a População em Situação de Rua”, pela vice-presidente da ESDEP, Rosana Monteiro.

Outubro Urbano - Todo ano, o programa ONU-Habitat comemora o “Outubro Urbano”. É um mês em que a sociedade civil e as instituições são convidadas a debater e refletir sobre algum tema citadino. O tema deste ano é “Cidades Inovadoras e Cidades Inclusivas”. O Circuito Urbano é uma chamada do escritório da ONU-Habitat no Brasil para promover e dar visibilidade a esses eventos.

Segundo Paula Zacarias, analista de programas do ONU-Habitat, foram recebidos centenas de iniciativas de todo o Brasil. Dos 160 eventos selecionados, apenas dois foram de Mato Grosso – o da Defensoria e o projeto “Cidade e Ambiente: debatendo caminhos”, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT). Clique aqui para saber mais sobre o projeto do IFMT.

Na seleção, foram utilizados alguns critérios, como ser uma instituição consolidada, relevante, e ter ações relacionadas à inovação e à inclusão. “As ações de inclusão social produzidas pela Defensoria se relacionaram muito bem, foi um casamento perfeito entre a proposta da chamada o que vocês estão desenvolvendo aqui”, declarou a analista.

Paula, que fez a abertura do evento, ficou impressionada com as iniciativas promovidas pela Defensoria Pública de Mato Grosso. “Achei muito interessante, pois a Defensoria trouxe as pessoas beneficiadas pelas ações para ter um momento de fala. Achei isso extremamente rico. A Defensoria está de parabéns por dar essa oportunidade de elas terem uma voz, se sentirem empoderadas, reconhecidas e valorizadas. Isso não tem preço. É um trabalho muito bonito. Tem que ser divulgado, replicado e inspirar o trabalho de outras Defensorias pelo país”, destacou.

A analista afirmou que a ideia é dar visibilidade às iniciativas nas redes sociais e nos demais canais de comunicação do programa ONU-Habitat. “E, principalmente, inspirar outras pessoas a ter acesso a essas informações para vejam essas práticas que estão sendo feitas aqui e, quem sabe, possam se inspirar também levar essas iniciativas para suas cidades”, ressaltou.

 

O evento foi destaque no Instagram da ONU-Habitat Brasil. Clique aqui para acessar o post.

 

Para saber mais sobre o Circuito Urbano 2019 ONU-Habitat, clique aqui.

 

Veja aqui todas as fotos do evento no Flickr da Defensoria.