Pular para o conteúdo
Voltar

Corregedor-geral da DPMT é eleito vice-presidente do CNCG

Márcio Dorilêo, corregedor-geral da Defensoria Pública de Mato Grosso, foi eleito vice-presidente da nova Diretoria do CNCG durante a 41ª Reunião Ordinária do colegiado, em Natal (RN), nos dias 3 e 4 de dezembro
Alexandre Guimarães | Assessoria de Imprensa/DPMT

Márcio Dorilêo, corregedor-geral da DPMT, foi eleito vice-presidente do CNCG na 41ª Reunião Ordinária do colegiado, em Natal (RN), nos dias 3 e 4 de dezembro. - Foto por: Arquivo pessoal
Márcio Dorilêo, corregedor-geral da DPMT, foi eleito vice-presidente do CNCG na 41ª Reunião Ordinária do colegiado, em Natal (RN), nos dias 3 e 4 de dezembro.
A | A

O corregedor-geral da Defensoria Pública de Mato Grosso, Márcio Dorilêo, foi eleito vice-presidente da nova Diretoria do Conselho Nacional dos Corregedores das Defensorias Públicas dos Estados, do Distrito Federal e da União (CNCG). A eleição ocorreu na 41ª Reunião Ordinária do colegiado, em Natal (RN), nesta terça (3) e quarta-feira (4).

“A vice-presidência de um importante colegiado, como o CNCG, é a oportunidade preciosa de contribuir na gestão e discussão de grandes temas relacionados às atividades institucionais dos defensores públicos de todo o Brasil. Trata-se de um espaço de articulação, construção e padronização de práticas que contribuem para o aperfeiçoamento das atribuições da Defensoria Pública”, afirmou Dorilêo.

No pleito, o corregedor-geral da Defensoria Pública de Rondônia, Marcus Edson de Lima, foi eleito presidente da nova Diretoria.

Além da eleição, o evento contou apresentações de práticas exitosas, como o aplicativo e-defensor e os projetos SUS Mediado e Remição pela Leitura, além da versão final de uma coletânea de enunciados publicados pelas Defensorias Públicas de todo o país.

Participantes – Além da DPMT, participaram do encontro a corregedora-geral da Defensoria Pública do Rio Grande do Norte, Erika Karina Patrício de Souza, anfitriã do evento, o corregedor-geral de Goiás, Luiz Henrique Silva Almeida, e 21 corregedores-gerais e representantes das Defensorias Públicas do Acre, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, São Paulo, Santa Catarina, Sergipe, Tocantins, e Defensoria Pública da União.