Pular para o conteúdo
Voltar

Núcleo de Sorriso visita aterro sanitário municipal

Iminente fechamento das atividades do aterro motivou a visita do defensor Ubirajara Vicente Luca, que defendeu o fortalecimento do grupo e a inclusão social dos catadores
Alexandre Guimarães

Defensor Ubirajara Luca visitou Aterro Sanitário de Sorriso no dia 12 de março com o objetivo de fortalecer o grupo de catadores de materiais recicláveis diante do iminente fechamento das atividades do local - Foto por: Arquivo/DPMT
Defensor Ubirajara Luca visitou Aterro Sanitário de Sorriso no dia 12 de março com o objetivo de fortalecer o grupo de catadores de materiais recicláveis diante do iminente fechamento das atividades do local
A | A

O Núcleo de Sorriso (396 km de Cuiabá) da Defensoria Pública visitou, na tarde do dia 12 de março, o Aterro Sanitário do município.

O defensor público Ubirajara Vicente Luca conversou com as pessoas que vivem da coleta de materiais recicláveis do local, ressaltando a importância deles se fortalecerem enquanto grupo.

“Com a Covid-19 (novo coronavírus), a preocupação dos cidadãos que vivem da coleta de resíduos recicláveis aumentou. Muito embora a coleta não tenha sofrido paralisação, uma vez que se trata de serviço essencial, há a possibilidade de uma redução no volume coletado, o que poderá afetar a renda das pessoas que vivem da coleta. Deste modo, medidas alternativas para o complemento da renda dos coletores deverão ser buscadas junto ao poder público pela Defensoria neste momento de crise”, destacou o defensor.

A visita ocorreu em virtude do iminente fechamento das atividades do local. Neste sentido, a atuação da Defensoria tem como finalidade discutir a inclusão social dos cidadãos que dependem das atividades do local.

“A gestão de resíduos sólidos vai além da limpeza urbana e da preservação ambiental, engloba as questões de inclusão social e promoção da cidadania”, destacou o defensor.

A catação é fonte de geração de trabalho e renda para muitos que não têm qualificação formal. Por isso, precisa ser abordada sob a perspectiva social, considerando a inclusão dos catadores organizados em cooperativas e associações.

“Se não houver a coleta seletiva e logística reversa, perdem-se as oportunidades de se promover a inclusão social de milhares de famílias que vivem em situação de pobreza”, afirmou Luca.

Importância dos catadores – De acordo com o defensor, a atuação dos catadores no processo é o que garante o sucesso da Política Nacional de Resíduos Sólidos, pois eles que atuam na coleta seletiva, triagem, classificação, processamento e comercialização de resíduos recicláveis.

“O trabalho deles é fundamental para a redução do volume de lixo enviado para descarte e aterramento inadequado, de modo a reduzir os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo lixo”, ressaltou.

Segundo Luca, os catadores se mostraram muito interessados no fortalecimento do grupo e novas reuniões já estão previstas para discutir a questão.