Pular para o conteúdo
Voltar

Escola Superior, NUMDI e IFMT lançam campanha Abraços à Vida para levar esperança a quem pede ajuda nos semáforos de Cuiabá

Idealizada pelo defensor Roberto Vaz Curvo, diretor da Esdep-MT, campanha vai distribuir máscaras, álcool 70%, roupas e brinquedos às pessoas que pedem ajuda nos semáforos em Cuiabá; um folder informativo em português, espanhol e francês será entregue aos venezuelanos, haitianos e africanos que moram na capital
Alexandre Guimarães | Assessoria de Imprensa/DPMT

Desabrigados que pedem ajuda nos semáforos da capital vão receber máscaras, álcool 70%, roupas e brinquedos, além de folders explicativos em português, espanhol e francês, com medidas de prevenção à Covid-19. - Foto por: Arquivo/DPMT
Desabrigados que pedem ajuda nos semáforos da capital vão receber máscaras, álcool 70%, roupas e brinquedos, além de folders explicativos em português, espanhol e francês, com medidas de prevenção à Covid-19.
A | A

A Escola Superior da Defensoria Pública (Esdep-MT), em parceria com o Núcleo de Estudos Afro-brasileiro, Indígena e de Fronteira (NUMDI) e a Reitoria do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), lançou a campanha “Abraços à Vida”.

A partir da semana que vem, serão distribuídas centenas de máscaras, 150 frascos de meio litro de álcool 70%, doados pelo IFMT – Campus Rondonópolis, além de roupas e brinquedos às pessoas que estão pedindo ajuda nos semáforos de Cuiabá, vulneráveis à contaminação pelo novo coronavírus (Covid-19).

Segundo a professora Maristela Guimarães, do IFMT, o projeto foi idealizado pelo defensor público Roberto Vaz Curvo, diretor da Escola Superior. “É uma campanha que pode levar esperança aos que sofrem”, destacou.

“O papel da Escola foi construir o texto juntamente com o IFMT. É uma forma de educação em direitos e deveres. A ideia é abraçar todas as pessoas dentro do que a OMS (Organização Mundial da Saúde) fala”, explicou Vaz Curvo.

Flagrantes – No último sábado (18), por volta das 16h, nossa reportagem flagrou ao menos 11 pessoas em situação de rua pedindo ajuda (comida, roupas e esmolas) na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, mais conhecida como Av. do CPA, apenas no trecho do viaduto que dá acesso à Av. Miguel Sutil até o Shopping Pantanal.

Também será distribuído um folder explicativo em espanhol, já que muitos desabrigados são venezuelanos que fugiram da crise em seu país natal. “Estou feliz, pois sei que faremos a diferença na vida de cada um. Venham somar conosco, serão bem-vindos”, declarou a professora, que compõe a coordenação colegiada do NUMDI e a Ouvidoria do IFMT.

O mesmo folder também será publicado em francês para atender senegaleses e haitianos, que vivem na capital mato-grossense.

Boa parte dos recursos será custeada pelos próprios organizadores da campanha, que também contou com o apoio de amigos para arrecadar roupas e brinquedos, do programador visual e da professora de espanhol, ambos da Reitoria do IFMT. A campanha seguirá com outras ações que vão além do combate à pandemia.

Venezuelanos – Só em 2019, Mato Grosso recebeu mais de mil imigrantes do país vizinho. A maioria trouxe os filhos. Em alguns casos, é possível ver as crianças correndo entre os carros, enquanto os pais recolhem a ajuda oferecida pelos motoristas, que diminuiu muito nesse período de isolamento social por conta da pandemia de Covid-19.

Apenas um abrigo recebe os venezuelanos que chegam à capital. O local, porém, estava lotado em janeiro. Havia 120 abrigados, sendo que a lotação é de 100 leitos.