Pular para o conteúdo
Voltar

Defensora Pública de Barra do Garças receberá prêmio estadual Ruth da Costa

O prêmio busca valorizar o trabalho de mulheres, uma em vida e outra em sua memória, que deixaram legado de defesa dos direitos humanos femininos
Márcia Oliveira | Assessoria de Imprensa da DPMT

Defensora Pública indicada a prêmio - Foto por: Bruno Cidade
Defensora Pública indicada a prêmio
A | A

A defensora pública que atua na área da saúde, em Barra do Garças, Lindalva Fátima Ramos, é uma das homenageadas da V edição do prêmio Ruth Marques Corrêa da Costa, cuja cerimônia de comemoração deste ano será por videoconferência, na segunda-feira (28/9), às 19h. A outra personalidade a receber as honras, em memória, será a professora Doralice Rosa de Oliveira Escolástico. A cada ano duas mulheres são escolhidas.

O objetivo da homenagem é valorizar mulheres que lutam e promovem a defesa dos direitos da mulher em todas as esferas sociais e econômicas de Mato Grosso. O prêmio é uma iniciativa do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (CEDM), ligado à Secretaria Adjunta de Direitos Humanos da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc). 

A presidente do CEDM, Glaucia Amaral, afirma que o objetivo do trabalho é valorizar aquelas  que, tanto no passado como no presente, realizaram ações importantes para a concretização de lutas pelos direitos femininos. “A 5ª Edição premiará mulheres de reconhecida referência na promoção e defesa dos direitos humanos das mulheres no Estado, que se destacaram no campo profissional ou pessoal, quer seja por um fato relevante, produção de conhecimento ou pela própria trajetória de vida”, informa. 

A indicação dos nomes foram feitas por requerimento até o dia 24 de agosto, via correios, e pelo endereço eletrônico (cedm@setasc.mt.gov.br). Posteriormente, o Conselho encaminhou as indicações às conselheiras, que fizeram a seleção e farão a cerimônia de entrega do prêmio. O link para acesso ao evento será enviado assim que o Conselho definir a plataforma a ser usada.

Homenageada - Lindalva é casada, mãe de uma filha e um filho e avó de dois netos. Cursou direito e graduou-se em Letras pela UFMT. Ela foi professora de língua portuguesa e literatura, servidora pública do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, onde trabalhou até a posse como Defensora Pública, em dezembro do ano de 2002.

Atuante, Lindalva é uma das fundadoras da Rede de Frente e responsável por inúmeras campanhas, projetos e eventos pela Defensoria Pública. Entre os que mais se destacam estão: “Defensoria Pública nos Bairros: Garantia de Acesso à Justiça”; “Projeto Reintegrar” com adolescentes internados; “Projeto Ambiental: Margens do Rio Garças e Araguaia limpas”; “Campanhas em prol do Consumidor”; “Projeto contra a Discriminação Racial”; “Projeto Oficina da Conciliação”; “Projeto Paternidade Consciente”; “Campanha de Combate ao Trabalho Infantil e às Drogas Lícitas e Ilícitas”; “Campanha em prol dos Idosos”.

Durante seu trabalho, a defensora se preocupou especialmente com as mulheres vítimas de violência doméstica e familiar.  E em defesa delas desenvolveu a “Campanha do Laço Branco”, o “Projeto de Atendimento às Detentas da Cadeia Pública”, o “Projeto de Atendimento aos Indígenas da Região”, o “Leilão Beneficente em prol do Barra Mama”, a “Campanha de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”, a campanha “Violência contra a Mulher: vamos meter a colher.”

Ela conta que ao saber que seu nome foi escolhido para representar as mulheres batalhadoras em 2020, ficou muito orgulhosa. “Fiquei em êxtase num primeiro momento, depois muito feliz por ver nosso longo trabalho em Barra do Garças, na defesa dos direitos das mulheres, reconhecido em nível estadual, e mais, com a certeza da responsabilidade em dar continuidade à luta travada diuturnamente em prol das mulheres em situação de vulnerabilidade”, afirma.

Ruth Marques Correa da Costa - A mulher que empresta seu nome ao Prêmio, se dedicou ao magistério, foi diretora da Escola Bernardina Rich por 19 anos, além de exercer o cargo de supervisora em várias escolas da Capital. Ela ajudou a criar a Associação de Professores Primários de Mato Grosso, que depois recebeu o nome de Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep).