Pular para o conteúdo
Voltar

Após intervenção da Defensoria Pública, moradora de Cuiabá consegue zerar dívida de água

Após atuação da Defensoria Pública, foi agendada uma audiência de conciliação ontem (dia 29), na qual a concessionária Águas Cuiabá concordou em quitar os débitos de Celina Cecília da Costa, portadora de diabetes e em situação de vulnerabilidade social, moradora do bairro Pascoal Ramos, no valor de R$ 5.142,54
Alexandre Guimarães | Assessoria de Imprensa/DPMT

- Foto por: Divulgação
A | A

A consumidora Celina Cecília da Costa, 53 anos, portadora de diabetes e moradora do bairro Pascoal Ramos, conseguiu zerar os débitos com a empresa Águas Cuiabá, com o auxílio da Defensoria Pública de Mato Grosso, em audiência realizada na segunda-feira (29), às 8h10.

Celina procurou a concessionária de água na 2ª edição do Mutirão do Consumidor, no último fim de semana (27 e 28 de novembro), no bairro Pedra 90, para negociar as dívidas. Não houve acerto e, então, ela acionou o Procon Municipal. Porém, como não houve acordo, a Defensoria Pública interveio para resolver a situação.

“Em relação ao caso da senhora Celina, foi muito importante a Lei do Superendividamento. No terceiro mês consecutivo de débito, a empresa Águas Cuiabá deveria ter cessado as cobranças. Mas a empresa continuou efetuando as cobranças, apesar de ela ter se mudado para São Paulo. Com isso, ela ficou superendividada, com uma dívida superior a R$ 5 mil”, explicou o defensor público Carlos Eduardo Freitas, que atuou no caso.

A Lei n.o 14.181/2021, conhecida como Lei do Superendividamento, entrou em vigor em julho deste ano, oferecendo uma solução para consumidores que não conseguem mais pagar parcelas de empréstimos, crediários e dívidas em geral, que fogem do controle, a ponto da pessoa não conseguir mais pagar as despesas básicas para sobreviver.

Segundo o filho da consumidora, Eric Wilker Costa Rodrigues, 32 anos, a casa da mãe estava desocupada há mais de 20 anos, pois ela foi para São Paulo realizar o tratamento da diabetes e, quando voltou, teve que amputar dois dedos do pé, ficando internada na Santa Casa por quase seis meses.

“Quando a gente chegou aqui, já tinha hidrômetro. Antigamente não tinha. Colocaram e não falaram nada. Não tinha nem tubulação na casa, nada. A casa estava abandonada. E nós estávamos morando na casa da minha vó. Chegou o pessoal da empresa cortando a água com uma dívida de R$ 5 mil”, contou Rodrigues, que estava morando em Rondônia, mas voltou para Cuiabá para cuidar da mãe.

Desempregado, ele disse que não teria como pagar a dívida, que chegou ao montante de R$ 5.142,54. “A Águas Cuiabá fez uma proposta de 10% de entrada. Minha mãe não trabalha. Eu morava em Rondônia. Vim há pouco tempo para ajudar a cuidar dela. Estou desempregado aqui, sem renda nenhuma no momento e precisamos da água”, revelou.

Além da dívida, a família ainda tem que arcar com o custo do consumo de água e energia elétrica, além do tratamento da mãe. Como não houve acordo, o Procon Municipal foi acionado.

“Ressalto minha satisfação, em contribuir para resolução do caso. Contamos com uma consumidora em situação de extrema vulnerabilidade, e conseguimos contribuir com o propósito do Procon Cuiabá, que é justamente a proteção e defesa do consumidor”, destacou a conciliadora Maria Antonia dos Santos Carvalho.

Ainda assim, não houve um acerto com a empresa e foi agendada uma conciliação na segunda-feira (dia 29). “Na audiência, a representante da Águas Cuiabá concordou com a justificativas da assistida de estar superendividada, não tendo condições de pagar os débitos, mediante comprovação documental, e efetuou a baixa da dívida no sistema da empresa”, relatou o defensor.

Rodrigues afirmou que a família ficou aliviada com a quitação débito de água. A casa da mãe dele, onde voltaram a residir, fica em uma região de chácaras, no bairro Pascoal Ramos, região que sofre constantemente com a falta de fornecimento de água. “Já vieram e fizeram a religação, mas não tem água. Já tem mais de quatro dias que não chega água aqui”, disse.