Pular para o conteúdo
Voltar

Dia das Mães: iniciativa emociona servidoras e defensoras da sede da Defensoria Pública

Evento singelo e simbólico buscou valorizar aquelas que, mesmo diante das adversidades, enxergam a beleza da maternidade
Marcia Oliveira | Assessoria de Imprensa da DMPT

Assessoria
A | A

Uma segunda-feira diferente, feita para virar recordação e guardar “do lado esquerdo do peito...dentro do coração”, como canta Milton Nascimento na música “Canção da América”. Assim as mães da sede da Defensoria Pública de Mato Grosso iniciaram a semana, ao receberem uma singela, mas tocante homenagem para marcar o dia delas, comemorado este ano no domingo (8/5).

A tarde teve música, flores e um tipo especial de surpresa que as fez, emotivas, verterem lágrimas pelo afago vindo em forma de cartinhas! Algumas escritas com toda a dificuldade de uma criança em fase de alfabetização, outras, com o capricho das letras adolescentes, mas, todas com algo em comum: foram feitas pelos filhos para falar de amor. O momento foi enternecedor, difícil de contê-lo e ou expressá-lo, que não pelo choro de comoção.

“Fiquei muito emocionada. Os servidores da Gerência de Desenvolvimento Funcional e Qualidade de Vida conseguiram que meus dois filhos escrevessem cartinhas pra mim e foi muito gratificante trazer o sentido de algo tão especial, a maternidade, de forma positiva, para o ambiente de trabalho. Me senti valorizada. Ainda mais pra mim, que sou sozinha e cuido de dois. É algo que mexe com nossas emoções”, disse Eveline Viana, 34, há um ano na gerência de compras.

Mãe, chefe, sem parentes por perto, ela também cuida de Mariano Chimatti, cinco anos, sozinha. E ver as letrinhas tortas do aluno de pré-alfabetização, dizendo coisas doces e amorosas, fez a tarde da subdefensora pública-geral, Gisele Chimatti Berna, mais leve e feliz.

“A surpresa foi emocionante, o cuidado, a delicadeza da equipe em pensar em todos os detalhes foi tocante. O Mariano está aprendendo a ler agora e ver a cartinha dele foi uma gracinha. Ser mãe é uma tarefa difícil e cada uma tem suas adversidades, a minha, está ligada à minha atribuição, são muitas responsabilidades numa função de gestão e, às vezes, não damos a atenção que os filhos precisam. E eles só querem nossa atenção”, disse Gisele.

Para a servidora Émory Lane Franco, a tarde foi especial e feliz. “No momento em que cheguei na Defensoria me senti especial, o caminho de flores ecoou como um tapete vermelho para me receber e ver a foto da minha princesa no telão me causou imensa felicidade”, disse.

A assessora especial da Secretaria Executiva, Jéssica Scheremeta, avalia que a iniciativa da Instituição reverenciou e emocionou positivamente as mães. “A cerimônia exaltou o trabalho das mulheres e mães que vivem dupla jornada diária, o que não é nada fácil, pois exige dedicação e competência. A homenagem, além de emocionar, fez com que me sentisse acolhida, com o coração alegre por receber tanto carinho. Nós mães somos as maiores defensoras de nossos filhos desde o ventre! Parabéns a todas que exercem a maternidade”, disse.

Receptividade - A rampa que dá acesso à entrada da sede foi decorada com flores, a banda do Corpo de Bombeiros foi convidada para tocar e a coordenadora da Gestão Funcional da Defensoria Pública, Karise Crivelli, fez a abertura do pequeno encontro lendo uma crônica do livro “60 Dias de Neblina”, da escritora Rafaela Carvalho, que na obra trata do cotidiano da maternidade.

“A autora tem dois livros publicados, nos quais fala da maternidade sem culpa e eu quis compartilhar os textos dela com as mães da Defensoria Pública. O evento foi simples, feito com doações, colaboração e o apoio da Administração Superior. Buscamos com a política de valorização, que é objetivo estratégico da Coordenadoria de Gestão Funcional (CGF), enxergar na servidora uma mãe, no servidor um filho, olhar além do cargo e função para ver o ser humano que trabalha no órgão. Queremos um ambiente saudável, acolhedor e incrível para se trabalhar”, disse Karise. 

Singularidade - O primeiro subdefensor público-geral, Rogério Borges de Freitas, agradeceu o trabalho de todos para marcar a data como especial e enobreceu a figura materna como sendo a da guerreira, cheia de atribuições, multitarefas, que, muitas vezes, coloca em risco a própria vida para gerar outra.

“A mãe, diferente do pai, às vezes, coloca em risco a própria vida para dar a luz e isso é digno de ser louvado. No Islã a figura materna é posta como superior à paterna pela responsabilidade dela em gerar e cuidar dos filhos, com amor, carinho e bondade, abrindo mão assim, de sua liberdade. Uma frase deles que mostra essa valorização diz: ‘o paraíso está aos pés das mães’”, recordou.

Freitas ainda lembrou o texto de Êxodo 20:12 que diz: “Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor, o teu Deus, te dá”. “Que Deus abençõe todas as mães e eu quero dizer que me sinto orgulhoso em trabalhar perto de vocês”, concluiu.

Lembrança - As mães que estiveram presentes receberam um texto e um ímã de geladeira feito no formato de fotografia polaroid, na qual aparecem com os filhos. Após a apresentação da banda, um lanche da tarde foi servido. Karise explica que os eventos comemorativos da sede são feitos de forma colaborativa e por hora, apenas na sede. E informa que uma caixa de doação para eventos foi disposta esta semana, no local, para que possam viabilizar os encontros.

“Para as datas mais significativas, como Dia das Mulheres, Dia dos Homens, Dia do Servidor Público, planejamos organizar encontros entre todos de Cuiabá e Várzea Grande e nas outras, fazer algo simbólico, como foi o dia hoje. Queremos criar um clima organizacional no qual as pessoas desejem estar. E como tudo é feito com trabalho extra, que está além das atribuições rotineiras, não temos braços para expandir para todos”, concluiu Karise.