Pular para o conteúdo
Voltar

Defensoria Pública de Mato Grosso finaliza implantação do Solar – sistema de atendimento online atualizado em tempo real

O sistema de Solução Avançada em Atendimento Referência (Solar), que começou a ser instalado em 2021, já foi implementado em todos os Núcleos da Defensoria Pública Estadual; software vai gerenciar todas as etapas do caso, desde o primeiro atendimento, até a solução do processo, judicial ou extrajudicialmente, em todas as instâncias; já estão funcionando os módulos Recepção e Defensor; em breve, outros módulos serão habilitados e ocorrerá a integração com outros sistemas de Justiça, como o PJe e o SEEUNa última sexta-feira (6), foram finalizados os treinamentos aos membros e servidores da Defensoria Pública para a implantação do sistema de Solução Avançada em Atendimento Referência (Solar), que começou a ser instalado em 2021 e gerenciará, desde o primeiro atendimento ao cidadão, todos os passos para a solução do caso, por via judicial ou administrativa, em todas as instâncias. A Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) realizou 18 reuniões com todos os Núcleos da Defensoria Pública no estado para a apresentação do sistema. Os treinamentos foram todos online, com exceção de Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis, que foram presenciais.
Alexandre Guimarães | Assessoria de Imprensa/DPMT

Bruno Cidade/DPMT
A | A

Na última sexta-feira (6), foram finalizados os treinamentos aos membros e servidores da Defensoria Pública para a implantação do sistema de Solução Avançada em Atendimento Referência (Solar), que começou a ser instalado em 2021 e gerenciará, desde o primeiro atendimento ao cidadão, todos os passos para a solução do caso, por via judicial ou administrativa, em todas as instâncias.

A Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) realizou 18 reuniões com todos os Núcleos da Defensoria Pública no estado para a apresentação do sistema. Os treinamentos foram todos online, com exceção de Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis, que foram presenciais.

O software, criado pela equipe de Tecnologia de Informação da Defensoria Pública do Tocantins (DPTO), foi cedido gratuitamente para a DPMT e já está em uso nos Núcleos de Iniciais e da Infância e Juventude de Cuiabá, desde novembro do ano passado.

“Tivemos uma participação massiva de servidores e membros para poder conhecer o sistema e, agora, o nosso desafio é que todos efetivamente passem a utilizar e conhecer, na prática, o funcionamento no dia a dia”, destacou a secretária executiva da DPMT, Maria Luziane Ribeiro de Castro, que também atuou nos treinamentos.

Com o aplicativo, dados cadastrados podem ser acessados em tempo real, de qualquer lugar do mundo, permitindo ao órgão compilar informações dos cidadãos atendidos, do primeiro ao último contato, registrando um histórico de atuações que podem gerar desde soluções administrativas até a abertura, andamento e conclusão de processos judiciais, nas várias instâncias.

“Outro ponto que queria destacar foi a atuação do servidor Ricardo, da CTI, pois só com o grande empenho dele foi possível fazer todo esse processo de implantação em tão pouco tempo, considerando a quantidade de pessoas envolvidas para cadastramento e ensino de funcionamento do sistema”, disse Luziane.

O Solar possibilita ainda a criação de agendas dos atendimentos, com a inserção de datas e prazos, e a facilidade na produção de relatórios e na obtenção de dados estatísticos, como número total de atendimentos ou atendimentos segmentados por natureza das demandas.

“Inicialmente, fizemos a parametrização base do sistema e implantamos o primeiro núcleo, no dia 29 de novembro de 2021. Depois, fomos implantando por fases. O sistema era configurado para os núcleos em que seriam implantados. Era apresentado o funcionamento dos módulos defensor e recepção. Após a apresentação, os dados de acesso eram enviados e o núcleo passava a usar o sistema”, explicou o analista de sistemas, Ricardo Pinheiro.

Assim que receber o usuário e a senha iniciais, o servidor ou defensor já pode acessar o Solar. A implantação já está em curso. Porém, a utilização do sistema será considerada obrigatória em todos os Núcleos da Defensoria Pública a partir do segundo semestre de 2022.

Segundo a defensora, a base de dados do sistema registra agendamentos, petições, audiências e substituições de defensor. Além de ter uma interface simples, fácil de usar, há módulos que, no futuro, permitirão o trabalho multidisciplinar, em ligação com outros órgãos do Sistema de Justiça. No momento, já estão liberados dois módulos – Recepção e Defensor.

“Já estamos trabalhando para a implantação dos próximos módulos, principalmente na integração com os sistemas de Processo Judicial eletrônico (PJe) e SEEU (Sistema Eletrônico de Execução Unificado), possibilitando uma melhoria do nosso atendimento junto aos nossos assistidos”, finalizou.